terça-feira, 20 de setembro de 2016

Ética

A histeria em Portugal está insuportável.
À semelhança do que aconteceu com os Contratos de Associação para o ensino privado, onde a dita classe média tinha os filhos todos a estudar em colégios (ainda que morassem na Margem Sul, por exemplo, onde nunca existiu um contrato desse tipo), agora todos os contribuintes assalariados médios têm bens imobiliários no valor de meio milhão de Euros.

A lei que existia que tributava bens no valor de um milhão era justa, esta passa a ser imensamente injusta porque a maioria dos cidadãos enquadra-se nela.

Ora, é claro que nada disto é verdade. E que os ânimos políticos em Portugal estão tão elevados, que as pessoas já nem pensam, disparam simplesmente. Quando a direita ataca a esquerda responde e o contrário!

A frase anunciada pela deputada do Bloco de Esquerda não foi em nada inocente. Acabou por se revelar infeliz para um quadrante, mas tenho sérias dúvidas que tenha sido infeliz para aqueles a quem o Bloco se dirige.
Mas tenha sido por infelicidade pura, ou propositada o problema é que os dois lados têm razão.

Ou seja tal como existem ricos corruptos, existem pobres acomodados.
Mas estas duas realidades brutalmente distintas, têm algo em comum a falta de ética!
Ambos os grupos não têm problemas em roubar ao Estado e desta feita a não contribuir para o bem comum.

Será ingénuo acreditarmos que os chamados ricos em Portugal são todos bonzinhos e cumpridores.
Eu por exemplo lembro-me da época dos subsídios para a criação de empresas em Portugal, da década de 90. E conheço vários casos de queijarias na minha zona, criadas mas nunca de verdade. Ou seja criava-se a empresa, concorria-se ao fundo, o dinheiro vinha, estabeleciam um esquema com fornecedores e distribuidores (tudo fictício) e ao fim de ano e meio abriam insolvência. No meio de tudo isto com o dinheiro que nunca foi gasto de verdade comprou-se carros e casas! O mesmo aconteceu na área da formação e em outras.
Estas pessoas não eram pobres. Não fazem parte do grupo que vai para a Segurança Social pedir os subsídios sociais. São aquilo que em bom português sempre se chamou de "chicos espertos"!

Como seria também ingénuo  acreditarmos que não existem cidadãos que vivem propositadamente à custa do dito Estado Social. Fui voluntária em acção social durante anos suficientes, para infelizmente conhecer imensos casos.

No entanto, quer num caso quer no outro também existe gente digna e honrada. Gente que trabalha arduamente e que não tira nada a ninguém e que consegue acumular riqueza.

Eu que sempre estive no meio, ou seja, nunca fui rica (e a esta altura da vida já sei que nunca vou ser), mas que também nunca vivi da esmola de ninguém, gostava de acreditar que é possível educarmos cada cidadão a querer contribuir para o bem comum.
Para isso seria muito importante, que esta dita classe média, agora indignada se deixasse de tretas, entre direita e esquerda (diferenças essas que cada vez se notam menos) e passasse a exigir de verdade contas ao Estado e a perceber onde é que se gasta o dinheiro de cada um de nós.

Acredito que este exercício seja mais fácil do que parece, afinal somos somente 6 milhões de população activa e menos que isso de população activa empregada!

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A minha filha mais velha ontem suspirou e disse-me "mãe acho que nos fazia bem um break!".

Ainda que por dentro tenha ficado com vontade de gritar e barafustar, respondi somente, "pode ser, para quando?".
Eu já ia a descer as escadas quando ela respondeu "talvez no Verão seja possível, até lá acho que preciso demasiado de ti para garantir tudo o que tenho para fazer"!

Ainda bem que por vezes conseguimos morder a língua e que são eles sozinhos que percebem os disparates que dizem.
No fim claro, que me restou sorrir.


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Actividades

Todos os anos a loucura é igual
A escola começa e os professores anunciam as novidades que andaram a planear.
Os miúdos trazem listas e mais listas, das actividades disponíveis e pedem tudo e mais alguma coisa.

A Matilde este ano começa mais dois desafios. Vai mudar de agrupamento de Escuteiros.
Dado estar no sexto ano teria de mudar de secção, assim aproveita e vai com as amigas para um agrupamento maior e mais longe. Vai ser uma grande aventura, que vai certamente obrigar o pai às quintas-feiras a maiores viagens.
Além disso a escola começou este ano um clube de GAA e claro está, a nossa miúda já faz parte da equipa!
Como tal este ano a Natação vai ficar parada, porque entre o futebol e o GAA já tem suficiente tempo para gastar energia.

As gémeas queriam mesmo começar algo novo,
Mas depois de muito falarmos perceberam que com 8 anos, fazer ballet (no caso da Mariana), Irish Dance (no caso da Madalena), natação e estar nos escuteiros já as obriga a um horário em que só terão duas tardes livres por semana.
E também precisam de brincar, correr, pular e tudo o resto!

Pelo menos até Dezembro este será o plano.
Em Janeiro, tenho a certeza que surgirão novos pedidos.




terça-feira, 13 de setembro de 2016

Arrumações

Aproveito sempre esta altura do ano para dar a volta aos roupeiros e às caixas dos brinquedos.
Com a desculpa que o aniversário das gémeas está a chegar, escolhemos brinquedos para dar ou que vão directamente para o lixo.

Assim que falei disso no final de Agosto as minhas gémeas, olharam para mim e disseram, "Sim pode ser, podes mandar todas as bonecas fora!"...

O meu mundo caiu.
Os Nenucos foram desaparecendo com o tempo, porque elas nunca lhes ligaram nenhuma. E isso para mim já foi um golpe duro. Mas agora fazer desaparecer todas as Barbies, Princesas e afins... acreditem que foi demais.




É ridículo, eu sei, elas querem mandar fora tudo isto e eu, a mãe, é que não deixo!!!

O que eu não dava para nos meus 8 anos ter esta caixa...

O resultado é que esta semana perguntaram-me, "porque é que esta caixa ainda está aqui?".



quinta-feira, 8 de setembro de 2016

O meu aniversário

Já lá vão 2 semanas.
Mas vale sempre a pena recordar, principalmente porque foi um dia tão bom.

Fui super mimada pelas minhas miúdas e pelo meu marido.
Recebi imensas mensagens e telefonemas. Prendas cheias de carinho e significado, o que mostra que vale sempre a pena envelhecer.

O fim do dia tinha como plano ir a uma discoteca aqui da zona, que já se encontra fechada e que só abre para ocasiões especiais. No dia 26, fizeram uma "80's night". Era (e para quem me conhece bem, sabe) o plano ideal, ouvir e dançar música dos anos 80 no dia do meu aniversário.
E foi de facto bom!

Nunca tinha eu dançado "walking like an egyptian", sem ser sozinha em casa!
https://youtu.be/Cv6tuzHUuuk

ou imaginem toda a gente a mexer os braços num drama total a ouvir Cyndi Lauper em "time after time" https://youtu.be/VdQY7BusJNU?list=PLC90FB71F6ECE17F3

ou lembrar que isto existiu... https://youtu.be/4kHl4FoK1Ys?list=PLC90FB71F6ECE17F3

e o que eu me lembro de ter chorado a ouvir "Especially for you" da Kylie Minogue & Jason Donovan https://youtu.be/aGuNsiSZ9RI?list=PLC90FB71F6ECE17F3

e tantas outras que me fizeram saltar e ir dançar que nem uma perdida
https://youtu.be/CJY7KW_YAac?list=PLC90FB71F6ECE17F3
https://youtu.be/m3-hY-hlhBg
https://youtu.be/JyD8BxoB2To
e Madona, Michael Jackson e tudo o resto... até ABBA!
E sim, claro, a minha preferida FAME https://youtu.be/2COKt6DqSaQ

Foi giro.
Muita gente vai mesmo vestida a rigor e era ver a Madonas e o Don Johnson juntos na pista!
Foi também giro recordar aquelas coreografias que tínhamos da altura.
Junto de nós na pista, estava um grupo de raparigas bem mais novas, talvez agora na casa dos 20 e era vê-las a olhar para os nossos pés para imitarem.
E que giro é ver que nos lembramos de tudo e que quer aqui, quer em Portugal as modas eram as mesmas.

Eu tentei levar o cabelo como tantas vezes usei em miúda! Mas tal como na altura não reultou muito bem.

Fica a experiência de uma noite bem passada.



segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Dia da Caridade

Hoje celebra-se o dia da Caridade.
É assinalado hoje como homenagem a Madre Teresa de Calcutá. A mesma que ontem foi canonizada pela Igreja Católica e que para mim já era Santa desde sempre (que ninguém me leve a mal, por dizer isto)!

Ontem doeu-me muito ler tanta coisa negativa sobre uma referência de vida para mim.
Lembro-me bem, das inúmeras vezes que participei em reflexões sobre o trabalho de Madre Teresa de Calcutá. Como Católica, foi sempre para mim um exemplo. Como adolescente a trabalhar de forma voluntária na área social, era um modelo.

Longe estava o meu trabalho, do seu.
E nem consigo imaginar o que é na década de 40 trabalhar nas ruas, na Índia, junto de quem nada tem.
O seu trabalho foi de tal forma radical que na altura ela deixou a vida religiosa e só anos mais tarde a Igreja a voltou a acolher, a si e à sua obra.
Ou seja, a história de Madre Teresa de Calcutá, agora Santa, está longe de ser simples ou linear.
E será certamente isso que incomoda tanta gente.
Gente que certamente não consegue perceber o que é dedicar a vida a algo. E aqui não falo só, da capacidade dela em se dedicar aos mais pobres, mas cada pessoa na sua vida quando se dedica a causas, incomoda, destabiliza, porquê?
Certamente, porque nos obriga a rever a nossa própria forma de viver.

E neste caso a forma de uma mulher, que na rua e do nada criou um exemplo de vida a seguir.
Exemplo que se espalhou por todo o mundo e que ajuda imensa gente a viver melhor.

Para mim ontem foi um dia bom.
Foi um dia de testemunho de uma Igreja viva.
Uma Igreja que por vezes tem dificuldades em se mostrar actual.

Termos uma nova Santa, uma mulher dos tempos actuais, que nos serviu de exemplo na pobreza real, que foi humana nas acções e palavras, e por isso mesmo tantas vezes questionada e julgada.
Ter esta nova Santa faz com que a Igreja esteja mais próxima de cada um de nós. Faz com que nos seja mais real o caminho da Santidade, mais acessível, mais próximo.

Hoje dia da Caridade, é dia do Amor e para mim nunca haverá melhor texto que o que S. Paulo nos deixou.

1 Cor 13
"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor."

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

39


é mais ou menos assim... falta mais um aninho, para oficialmente puder dizer que sou uma adulta.