terça-feira, 4 de dezembro de 2018

"We must be willing to get rid of the life we've planned, so as to have the life that is waiting for us.
Follow your bliss and the universe will open doors for you where there were only walls.
The cave you fear to enter holds the treasure you seek.
The privilege of a lifetime is being who you are.
A hero is someone who has given his or her life to something bigger than oneself.
Find a place inside where there's joy, and the joy will burn out the pain.
The goal of life is to make your heartbeat match the beat of the universe, to match your nature with Nature.
Your sacred space is where you can find yourself again and again.
The big question is whether you are going to be able to say a hearty yes to your adventure.
I don't believe people are looking for the meaning of life as much as they are looking for the experience of being alive."
 
Joseph Campbell

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Ser louca por uns segundos...

Todos os anos as miúdas escrevem a carta ao Pai Natal.

Este ano só as gémeas se propuseram a tal tarefa e como costume, a mim cabia-a me a tarefa de garantir, que as mesmas chegavam ao destinatário.
Por aqui os Correios têm um serviço, em que com um selo de 1€ as crianças mais tarde, recebem uma carta de resposta do Pai Natal, com umas folhas de actividades.

Mas para isto acontecer a carta tem de ser posta nos correios antes do dia 01 de Dezembro.

Um destes dias, sai literalmente a correr para passar nos Correios a caminho de casa para enviar as ditas cartas.
A fila era enorme, mas eu esperei com a paciência imensa que só os pais têm nesta altura do ano.


Chegada a minha vez a funcionária dos correios (que esperemos seja nova naquele posto) olhou para mim incrédula e disse: “sabe que isto não vai para lado nenhum certo? basta meter na caixa” eu olhei e respondi, sim, mas preciso de meter o selo senão as miúdas não recebem a resposta. A funcionária, que juro nesta altura olhava para mim como se eu fosse mesmo louca, voltou a dizer: “mas o Pólo Norte não existe, por isso é só meter na caixa”.

Nesta altura eu já não sabia bem o que dizer e olhei para a funcionária ao lado na ânsia de ajuda.


Consegui a ajuda que pedi e foi aí que a funcionária que me estava a atender disse, mas estes anos todos eu meti sempre as cartas dos meus filhos na caixa sem selo nenhum! Depois acrescentou, realmente nunca recebi resposta, mas nem sabia que se recebia.


Rimos todas da situação, mas para mim o que me ficou, foi a cara daquela Sra. que chegou a achar que eu era completamente louca e que tinha perdido todo o juízo que podia ter!


Senti mesmo que a dada altura ela me tratou como doidinha....

terça-feira, 25 de setembro de 2018

O que vemos

"Dança o teu azar
enterra-o por aí
Vem passar por dentro
da tempestade
Lança-te a voar
nada como abrir
as asas ao vento
e aprender a cair"





Ninguém vê a realidade da mesma forma que outra pessoa.

Sei bem isto, porque quando temos miopia, de cada vez que aumentamos a graduação descobrimos algo novo na realidade que nos rodeia.
Este vídeo, foi todo ele gravado na Quinta da Fonte da Prata. Uma zona para a qual olhamos tantas vezes sem conseguirmos ver o que aqui aparece...

E sim vale a pena ouvir a música e ouvir com atenção a letra!

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Solidariedade real

Das coisas que ainda me surpreendem. 

Trabalho num escritório onde a maioria somos mulheres, como tal é normal um pouco de intriga, coscuvilhice e diz que diz. 


Mas hoje no meio do nada, alguém explica que temos uma colega doente, que está ausente à já alguns dias e que vai continuar ausente, está a fazer exames para saber o que se passa e assim. 


Resultado: cada colega contribuiu com o que pode para a ajudar neste momento. 


Toda a gente se levantou e entregou o que achou por bem para ajudar. 


E a mim estas coisas ainda me surpreendem, e sabem bem, mesmo bem. 

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Estado actual...

Era para ser 1 mês.
Acabaram por ser quase 4 meses a investigar e a validar o passado dos candidatos que querem trabalhar na maior companhia área irlandesa.

Quando em 2011 deixei o mundo do recrutamento, quase que jurei que não voltaria a fazer o mesmo.
Muito mudou, muito mudei, mas continuei sempre com medo de voltar a esta área.
Mesmo quando mudei de país, tive sempre receio de concorrer neste sector.

Concorri para algo genérico na área administrativa. No fim da entrevista, a entrevistadora perguntou-me porque é que não voltava a fazer recrutamento.
Numa entrevista a pessoa nunca quer dizer que não quer e a verdade é que são mais de 10 anos de experiência nessa área.
Era um mês. Era uma experiência.

Nos primeiros dias ia morrendo.
Pensei que não era capaz de voltar a assimilar tanta informação em tão pouco tempo.
No fim do primeiro dia, só tinha vontade de desistir.

Estou numa equipa de mais de 40 pessoas, das quais cerca de 20 fazem recrutamento.
O projecto era para recrutar mais de 700 pessoas e colocá-las a trabalhar antes do Verão começar.

Cedo se percebeu que não se ia cumprir o objectivo e como tal o projecto ia demorar mais que um mês.
Em pouco tempo passei da fase do não percebo nada disto, para a fase em que estava a dar formação a outras pessoas para trabalharem no mesmo Sistema.
Ao fim de 2 meses, passei a ser a pessoa com mais conhecimento no Sistema, ainda que continuasse como temporária.

Quando o projecto se aproximava do fim, havia novos projectos a começar.
E tive a oportunidade de continuar na empresa, mas desta feita a fazer recrutamento para um projecto inovador.
A empresa quer formar pilotos e abriu um concurso, ao qual responderam mais de 17000 candidatos.
Daqui tem que se avaliar cada um, responder a cada um e escolher os mais aptos e motivados para um projecto que demora cerca de 2 anos de preparação.

Tudo isto provocou imensas alterações na nossa vida familiar.
Cada nova missão exigia novos acordos com o after school das miúdas, novas promessas sobre as visitas à casa das amigas, novas e maiores responsabilidades para a filha mais velha.
Tudo isto foi conquistado, sempre a 5. 
Temos agora também a vantagem de ter a minha Irmã por perto, o que ajuda até a manter a perspectiva, se estamos a fazer as opções mais normais ou nem por isso!

A verdade é que mesmo nos últimos anos em que trabalhei, foram sempre projectos em part-time, em que elas quase que não se apercebiam que eu trabalhava, porque chegavam da escola e a mãe estava em casa. 
As gémeas não tinham noção do que era andar num ATL.
A Matilde percebeu, que afinal estar sozinha tem muito mais responsabilidades do que o aparente prazer que apresenta.

Eu no meio de tudo ainda luto para não desesperar porque a casa não esta sempre como eu gosto, ou o jantar não está pronto à hora que eu gostava. Tenho a sorte de ter um marido que me apoia, tenta entender a minha louca frustração e que efectivamente faz equipa para que tudo corra da melhor maneira.

Tem sido uma montanha russa.
Mas voltar ao mundo do recrutamento, ainda que noutro país faz-me ter a certeza que as pessoas são iguais em todo o lado, que trabalhar como fornecedor é sempre mais difícil do que ser o cliente, que um escritório cheio de mulheres é sempre um ambiente com demasiadas hormonas femininas e  que a intriga e a coscuvilhice fazem parte de qualquer ambiente organizacional. No entanto existem algumas diferença de nível cultural entre os  2 países.
Primeiro que tudo serem mais de 20 pessoas a fazer recrutamento para um pico máximo de 700 admissões nos meses de Verão.
Depois ainda que exista urgência no trabalho, a hora da saída e os fins-de-semana são absolutamente sagrados, nunca a música “nine to five” me fez tanto sentido.
Depois são processos tão grandes, tão cheios de pormenores que pequenos erros são inevitáveis, a reacção ao erro por aqui também é  muito diferente. Não existe um tormento sobre os pequenos erros, a primeira reacção perante um erro é como o corrigir e evitar que volte a ocorrer, mas não se apontam dedos, não se gritam nomes, não se perseguem pessoas.
O trabalho é para se fazer, para se cumprir e não é nenhuma paixão. Paixão é o dia do pagamento em que se pode planear uma loucura. Ninguém tem medo de dizer que trabalha pelo dinheiro, o que torna a relação trabalho muito mais saudável. Não existe a idolatria ao chefe e à empresa.

Alguns destes pontos, já tinha descoberto no tempo que trabalhei no ginásio, mas estava integrada numa empresa pequena, com uma equipa reduzida e muito familiar.Agora o cenário mudou mas muitas das conclusões sobre a cultura empresarial em terras irlandesas são as mesmas que já tinha.

O objectivo depois deste grande projecto é avaliar o que será melhor para mim e para a minha família, mas com mais confiança. Costumava dizer aos meus alunos, que aconteça o que acontecer o conhecimento fica sempre connosco e passado estes anos todos, esta experiencia foi a prova disso.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

férias

Normalmente os blogues param pelas pessoas irem de férias.
Este vai parar por 30 dias, para eu ir trabalhar a tempo inteiro!

É verdade ao fim de quase 6 anos, vou trabalhar pelo menos 1 mês em horário completo e por isso antevê-se um aumento nos níveis de stress.

Em 2 dias as histórias são já muitas, até porque estou a trabalhar numa equipa gigante de recrutamento... mas muitas nunca vão sair da minha memória, até porque já se sabe, envolvem sempre a história de alguém, para além da minha.




quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Aprender Espanhol

Desde que as miúdas vieram para esta escola que tinha vontade de frequentar as aulas para adultos de Espanhol.
Estávamos longe e não fazia sentido vir perder uma manhã para satisfazer o gosto que eu tenho por os sons espanhóis.

Quando o ano começou disse ao Jorge que ia frequentar as aulas. No entanto em cada semana às quartas-feiras surgia algo. Esta semana lá fui.

Sabia que ia gostar, a seguir ao italiano é o meu som favorito.
A forma como se enrola a língua, o som fantástico (para mim) de dizer pantálones.

O mais difícil é a escrita, os acentos são todos em locais diferentes dos nossos, escrever palavras com s, c ou z passa a ser uma aventura! Isto para não falar do h, j e g!!!
Mas os sons são fáceis e eu adorei.

El mundo es un  pañuelo!
O mundo é uma ervilha!